Como Ciclistas Urinam Nas Corridas

Compartilhe:

Às vezes os ciclistas só precisam de um empurrãozinho de um companheiro de equipe para continuar pedalando…

No acostamento

Alguns ciclistas param ao lado da estrada para fazer urinar.

O pelotão pode se organizar, selecionando um espaço para ‘parada natural’ durante o qual os ciclistas vão urinar coletivamente; em uma tradição de Grand Tour, o líder da classificação geral determina quando isso acontecerá. Qualquer um que continue pedalando é obrigado por uma espécie de “lei não escrita” a não atacar durante esse tempo.

É claro que, como todas as regras não escritas, esta pequena joia foi convenientemente ignorada – na etapa 16 do Giro de Itália 2017, quando Tom Dumoulin (Team Sunweb) parou para uma emergência devido a uma forte dor de barriga.

Se a necessidade de urinar só está realmente afetando um ciclista, é prática comum é passar à frente do pelotão antes de parar, para ter tempo suficiente para esvaziar a bexiga.

Se mesmo assim o ciclista for ultrapassado pelo pelotão, ele pode usar os carros da equipe para traçar o caminho de volta ao grupo.

Mulheres também precisam ir ao “banheiro”

Para as mulheres, todo o processo demora um pouco mais. É possível que as mulheres urinem em pé,  mas pode ser um processo confuso, e, francamente, é provavelmente mais rápido apenas agachar.

 

No pelotão feminino, as “paradas naturais” são mais comuns em corridas maiores. Como as corridas das mulheres geralmente são mais curtas, o pelotão feminino tende a evitar as “paradas naturais”, sempre que possível.

Veja também:  Spinning - Tudo Que Você Precisa Saber

Enquanto pedala

Foto: Sunada

Nem todos os ciclistas ficam felizes em urinar no acostamento ou na roupa. Dependendo da situação, ou do posto do ciclista na equipe, o líder procura uma mão amiga – com um companheiro de equipe empurrando-os por trás para que eles possam manter o ritmo enquanto pedala.

Nas calças

A opção final – aplicável a ciclistas masculinos e femininos – é simplesmente deixar que isso aconteça sem qualquer planejamento real, parar ou empurrar os companheiros de equipe.

Como o velocista alemão Marcel Kittel gentilmente confirmou durante Paris-Nice de 2016, escolher esta opção pode ser particularmente eficaz em condições frias – algo que Mark Cavendish confirmou depois dizendo: “Em corridas que estão com temperaturas baixas e chovendo, eu gosto de mijar em mim mesmo.

“Isso me aquece por uma fração de segundo. Você se aquece e não precisa se preocupar com isso ”, acrescentou.

Compartilhe: